Implicações da curiosidade sexual infantil na vida sexual adulta
A curiosidade é uma reação inata da criança frente à descoberta do ambiente. Quando os pais e demais familiares satisfazem essa curiosidade natural da criança, permitem que ela desenvolva uma estrutura de pensamentos e de atitudes criativas, independentes e necessárias.

Existem alguns princípios que devem orientar os adultos no sentido de satisfazer adequadamente a curiosidade da criança (1). São eles:

1) Responder com honestidade aos questionamentos;

2) Fornecer explicações claras, de acordo com o nível de compreensão da criança;

3) Progredir com base no que a criança conhece;

4) Corresponder ao momento em que a criança solicita;

5) Repetir a explicação sempre que necessário.

Estes princípios foram estabelecidos tendo como base dois outros fundamentais sobre a psicologia e desenvolvimento infantil (1):

1) as fantasias da criança não são fingimentos ou mentiras, são uma realidade intensamente vivida por ela;

2) a repetição muitas vezes é necessária para que a criança possa verificar que um fato pode se repetir.

Desde pequena, a criança possui necessidades e curiosidades acerca da sexualidade, da mesma maneira que as têm em relação a outros aspectos da vida. A maneira como o adulto recebe e responde a essas dúvidas sexuais da criança pode influenciar (direta ou indiretamente) no seu desenvolvimento (saudável ou patológico) e na sua prática sexual na vida adulta. Daí a grande importância de se evitarem respostas ingênuas, mentirosas ou evasivas.

A curiosidade sexual infantil passa, em geral, por cinco etapas:

1ª) Em torno de dois anos - questões sobre a eliminação, tanto evacuação quanto micção;

2ª) Aos dois anos e meio - perguntas sobre a diferença de sexos;

3ª) Aos três anos e meio ou quatro - questões referentes ao processo de nascimento;

4ª) Na idade escolar - curiosidades sobre a função do pai no processo de reprodução;

5ª) Aos nove anos a criança já deve ter sido atendida em sua curiosidade sobre a função da reprodução, com clara descrição sobre o ato sexual.

Se a criança conseguir satisfazer sua curiosidade em todas as etapas, ou seja, se for atendida e respeitada pelos pais em seus questionamentos, estará mais preparada para adquirir equilíbrio emocional e usufruir de uma vida sexual saudável e segura na vida adulta.

Fonte(s):


•   (1) Grünspun, H. Distúrbios Neuróticos da Criança. 4ª ed. São Paulo: Atheneu, 1998, p. 316-318.
•   (2) Pappalia, DE. & Olds, SW. O mundo da criança da infância à adolescência. 2ª ed, São Paulo: Makron, 1998. 
•    (3) Suplicy, M. Conversando sobre sexo. Rio de Janeiro: Vozes, 1983.