O tamanho do pênis
Uma propaganda de cerveja, atualmente veiculada pela TV, mostra rapazes que observam a garota (com quem um deles saiu) conversando com as amigas. Eles imaginam que ela está contando como foi a transa deles e, quando ela faz um gesto, com os dedos, indicando algo pequeno, eles supõem que ela esteja se referindo ao minúsculo pênis do "cara" e... caem na gargalhada, deixando o amigo em uma situação delicadíssima!

O exemplo acima é quase uma caricatura do quanto o tamanho do pênis ainda é um grande tabu na nossa sociedade. A idéia de que quanto maior o órgão genital masculino, maior o prazer que ele pode proporcionar às mulheres, infelizmente, ainda não foi desmitificada. Apesar desta crença ser observada em pessoas de ambos os sexos independentemente da idade e da classe social, os homens, como podemos perceber, estão bem mais interessados no assunto; pois consciente ou inconscientemente temem que a sua "potência" seja questionada. Diante disto, são muitos os que procuram auxílio médico para tentar resolver este problema; o que os médicos questionam é se esta é uma queixa que deva ou possa receber tratamento.

Em pesquisa realizada pelo British Medical Journal, via Internet, foi solicitado a 570 médicos que indicassem dez condições médicas que pudessem ser qualificadas como "não-doença", ou seja, "um processo ou problema humano que alguém definiu como uma condição médica, mas na qual as pessoas poderiam ter melhores resultados se não o encarassem dessa maneira". Neste levantamento, o temido envelhecimento é o primeiro da lista das 20 "não-doenças" mais freqüentes nos consultórios, seguido da calvice, da alergia à vida moderna, da celulite e da ansiedade a respeito do polêmico tamanho do pênis.

O estudo, segundo Richard Smith - editor da revista, não tem o objetivo de menosprezar o sofrimento causado por tais quadros, mas sim o de chamar a atenção para a crescente necessidade, em especial na sociedade ocidental, de tratar com remédios alguns problemas que em geral têm como principal causa o estilo de vida que o indivíduo tem, por exemplo, com uma sobrecarga de trabalho.

Diante de tais fatos, faz-se necessária uma maior reflexão sobre a busca desenfreada por fórmulas mágicas que resolveriam determinados "problemas", sem que a própria pessoa precisasse repensar ou alterar nada na sua vida, quando aí poderia estar o início de toda a mudança. Especificamente falando do tamanho do pênis, um bom começo seria a busca de informações verídicas a respeito do quanto este fato interfere no bom desempenho e satisfação sexual.

Fonte(s):


•    Revista PESQUISA FAPESP - Política Científica e Tecnológica. Remédio para curar a vida moderna. São Paulo (SP); junho de 2002. p. 10