Sexo e drogas - parceria de alto risco!
Não é incomum encontrarmos jovens que acreditam que o uso de álcool e/ou drogas pode favorecer o desempenho sexual. Esta crença errônea e distorcida se sustenta pelo fato destas substâncias, num primeiro momento, deixarem a pessoa mais desinibida e, com isso, supostamente mais aberta e disponível para um eventual encontro sexual. O que se observa então, é que os jovens acabam exagerando na dose e o interesse aparente acaba dando lugar à sonolência, à lentidão e à introspecção, tornando a aproximação mais lenta e o desempenho menos satisfatório.

Na verdade, diferente do que alguns jovens acreditam, já está comprovado que o álcool e outras drogas, ao invés de beneficiarem o encontro afetivo e/ou sexual, trazem inúmeros prejuízos para a sexualidade. Quem bebe muito, corre grande risco de falhar no momento do ato sexual, uma vez que o uso recorrente e abusivo de álcool é nocivo ao pênis, provocando assim dificuldade de ereção. O uso da maconha acaba diminuindo a produção de espermatozóides e o desejo sexual, além de dificultar a chegada ao orgasmo. Os anabolizantes também prejudicam o mecanismo de ereção e a fertilidade.

Além destes inúmeros prejuízos à resposta sexual, o álcool e as drogas também prejudicam a capacidade de percepção e julgamento das pessoas. Sendo assim, muita gente acaba ficando com parceiros(as) que jamais ficariam se não estivessem sob o efeito destas substâncias, sem contar com o fato de que o uso das mesmas expõe a mais comportamentos de risco, como, por exemplo, transar sem camisinha.

Diante de tantas evidências, não há como acreditar que as drogas e o álcool tragam qualquer benefício para o sexo. Ao contrário, aumentam significativamente a possibilidade de dificuldades neste campo. É necessário buscar formas mais saudáveis e adequadas para lidar com possíveis inseguranças e ansiedade frente ao encontro sexual. É importante se dar conta de que a curtição, a paquera, a descontração e o sexo não podem e nem devem vir acompanhados de drogas, pois estas, além de prejudicarem a saúde em todos os aspectos, empobrecem as experiências e impedem o contato pleno e real com as pessoas e situações.

Portanto, se você é usuário de álcool / drogas ou se tem um(a) namorado(a) que o faz, não adianta fingir que nada está acontecendo! Procure informar-se sobre os riscos que está correndo e não hesite em buscar ajuda especializada.

Onde buscar ajuda:

GREA (Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas) - Fone: (11) 3081-8060 ou www.grea.org.br;

Grupo de Acolhimento Proad-Unifesp - Fones: (11) 5579-1543 ou 5576-4472 / www.unifesp.br/dpsiq/proad;

Alcoólicos Anônimos - Fone: (11) 229-3611 ou www.alcoolicosanonimos.org.br;

Narcóticos Anônimos - Fone: (11) 3101-9626 ou www.na.org.br

Fonte(s):


•   Folhateen - Tire suas dúvidas. 01/março/2004.