A evolução dos tratamentos para disfunção erétil
Até a década de 70, o único tratamento oferecido para a disfunção erétil eram as próteses de pênis e as bombas à vácuo. As próteses são estruturas semi-rígidas implantadas no pênis. As bombas à vácuo são aparelhos que, ao produzirem vácuo no corpo do pênis, aumentam a entrada de sangue propiciando a ereção. Tais métodos eram definitivos e irreversíveis (próteses) ou muito incômodos e nada espontâneos (bombas).

Na década de 80, houve grande revolução para o tratamento da disfunção erétil com o surgimento das injeções administradas no pênis. Tais injeções continham uma ou mais substâncias capazes de provocar a ereção. Entretanto eram dolorosas, podiam causar hematomas e cicatrizes endurecidas no pênis (fibrose). Ainda são utilizadas nos homens que apresentam disfunção erétil severa e que não obtiveram resultado com medicação via oral.

Os primeiros medicamentos por via oral foram a yoimbina e a fentolamina. Recentemente o sildenafil (Viagra) revolucionou o tratamento para disfunção erétil, sendo a primeira droga eficaz contra a disfunção de diferentes origens.

Também recentemente, medicamentos por via sublingual (para serem colocados embaixo da língua), supositórios para uretra, cremes e aerossóis foram desenvolvidos. Os resultados são variáveis, mas encorajadores. Drogas por via inalatória têm sido estudas. A vantagem é o rápido início de sua ação.

Novos medicamentos estão sendo pesquisados e esperando aprovação para entrarem no mercado, prometendo menos efeitos colaterais e menos contra-indicações.

A adoção de hábitos de vida mais saudáveis como alimentação equilibrada, atividade física moderada, não fumar, evitar o uso excessivo de álcool, diminuir o estresse do cotidiano através de lazer e relaxamento e ter intimidade suficiente para falar com a parceira sobre o problema são atitudes que previnem e tratam essa disfunção.

A avaliação do urologista é importante para a detecção de possíveis causas orgânicas. Um acompanhamento psicoterápico pode ajudar no autoconhecimento e na superação de dificuldades pessoais e de relacionamento interpessoal que estejam interferindo negativamente na qualidade de vida sexual.

Fonte(s):


•    Equipe do Site